Pura vida: Núcleo Viladança participa do Festival La Machine de Calle

Pura vida: Núcleo Viladança participa do Festival La Machine de Calle

Por Guilherme Fraga

Entre os dias 10 e de 20 de março de 2016, integramos a programação do 3º Festival La Machine de Calle, na Costa Rica. Apresentamos o espetáculo “Good/Looking” , ministramos uma oficina de dança contemporânea e pudemos vivenciar a rotina intensa e diversificada deste festival.

“Good/Looking” foi o resultado da primeira residência artística realizada pelo Núcleo Viladança (BA) em parceria com o Coletivo Los INnato (Costa Rica), em 2015.  Sua duração foi de dois meses de encontros diários, e o resultado foi apresentado três vezes, em curta temporada, no palco principal do Teatro Vila Velha de Salvador/BA. Nas palavras Viola Luise, integrante do grupo, foi “um processo curto e intenso de criação coletiva que iria resultar em apenas três apresentações; deixou vontade de continuar, continuar unido, continuar investigando o corpo desta maneira, continuar a empolgar plateias”.

A convite do Festival La Machine, seguimos com o trabalho e o processo de viabilização da viagem. Foram nove meses de gestação, expectativas, dores de cabeça e muito trabalho até chegar a hora do parto: quatro apresentações na Costa Rica, dividindo a cena com artistas do mundo inteiro: México, Argentina, Guatemala, Chile, Itália, Eslováquia…

O contato com diferentes artistas permitiu que conhecêssemos produções estéticas interessadas no movimento contemporâneo, foco principal do Festival La Machine. Vale ressaltar que o intercâmbio artístico entre os participantes se deu não somente no nível da apreciação estética, mas também da vivência corporal – já que realizamos as oficinas ministradas pelos artistas envolvidos – e da convivência diária. Para o intérprete Jônatas Raine foi uma “oportunidade de experiência incrível sobre diferentes formas de utilização do espaço público, em parceria e intercâmbio contínuo com pessoas incríveis e artistas/profissionais de alto nível”.

Sob meu ponto de vista, compartilhar Good/Looking com o público costarriquenho foi maravilhoso. Os aplausos fervorosos, as aclamações e o retorno dos espectadores e artistas presentes foram indescritíveis. Tamanho sucesso rendeu ao espetáculo uma premiação: fomos selecionados para apresentação no Festival RAMBLA na Guatemala no final do ano!

“Essa foi uma viagem única que nos levou para um estado que despertou ainda mais os nossos desejos! E quando se despertam os quereres, começamos a almejar todos os nossos sonhos”, destaca o intérprete Lukas de Jesus.

Uma consideração é unânime para o grupo: nenhum dos envolvidos voltou da mesma forma que foi. Participar do Festival La Machine renovou nossas energias, nossa vontade de seguir dançando… Aliás, sobra energia e sonhos nos artistas do Núcleo Viladança em Residência!

O que nos falta ainda? Agradecer! Ao Edital de Mobilidade Artística e Cultural da Secult por vibilizar a nossa ida a Costa Rica. Ao Núcleo Viladança, especialmente a Cristina Castro, por todas as orientações e pelo brilho nos olhos! À Baobá e à Manga Rosa pela parceria! Ao Teatro Vila Velha, ao espaço Xisto e à Escola de Dança da UFBA por nos cederem suas salas de ensaio. À toda equipe do Festival La Machine que nos recebeu de braços abertos. A Marko e Raúl (Coletivo Los INnato) por fazerem de cada encontro um momento de aprendizagem e diversão! E, por fim, aos meus amigos-intérpretes-criadores-artistas desta residência artística pela entrega e trabalho constante! Vida longa à Good/Looking!